Prefeitura Municipal de Macaé

Profissionais de esportes recebem capacitação

2018-04-16 15:09:00 - Jornalista: Liliane Barboza
Compartilhe:  
Foto de pessoas sentadas
Foto: Rui Porto Filho
Objetivo é capacitar sobre notificação de violências nas comunidades onde atuam

Profissionais da Secretaria de Esportes, que atuam no Programa de Iniciação Desportiva (Pides), participaram, nesta segunda-feira (16), de uma capacitação sobre notificação de violências, apresentada pela Área Técnica de Vigilância e Prevenção das Violências, da Secretaria de Saúde. O objetivo foi informar e mostrar como eles devem proceder nesses casos. O treinamento foi realizado em dois turnos, manhã e tarde, e participaram, ao todo, 135 pessoas. A iniciativa será estendida a outros órgãos da municipalidade que promovam atividades diretamente junto a população. A intenção é que os agentes municipais estejam aptos a perceber e agir em situações relacionadas a quadros de violência.

Para a secretária de Esportes, Andreia Freitas, o esporte se propõe a promover integração. "Acredito ser importante os professores ouvirem as crianças, adultos e idosos porque, se porventura eles estiverem passando por algum risco, terão oportunidade de uma vida melhor, seja ouvindo ou direcionando um caminho para resolução dos problemas", avaliou.

A coordenadora da Área Técnica de Vigilância e Prevenção das Violências, Ananda Resende, explica que o encontro tem a finalidade de informar e detalhar como preencher corretamente o formulário do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). Os profissionais aproveitaram a oportunidade de tirar suas principais dúvidas.

- A notificação sobre o caso de violência é uma ação de cuidado que temos que garantir à pessoa. Temos também de fazer com que a rede funcione de forma adequada e que haja acompanhamento dessa vítima, enfatizou.

Ela acrescentou ainda que todos esses dados são concentrados na Área Técnica de Vigilância e Prevenção das Violências e que o preenchimento da ficha é obrigatório pelos profissionais em casos suspeitos ou confirmados de violência.

Segundo Ananda, esses dados são importantes pois através deles é que o município pode colaborar com a construção de políticas públicas para um determinado território.

Para o coordenador do Pides, Maurício Ibrahim, esse esclarecimento foi essencial para todos os profissionais que participam do projeto. "Nosso papel é de proteger e cuidar de nossas crianças, de sua integridade física e emocional. Muitas vezes percebemos que os casos de agressões contra elas são recorrentes e não podemos omitir isso para evitar algo mais grave", afirmou.

Casos de violência devem ser notificados

Em caso suspeito ou confirmado de violência contra crianças, adolescentes, mulheres, pessoas idosas, pessoa com deficiência, indígenas, população LGBT e homens em situação de violência doméstica ou intrafamiliar, sexual, autoprovocada (suicídio), tráfico de pessoas, trabalho escravo, intervenção legal (praticada por agente da lei) e violências homofóbicas, deve haver notificação.

Todos os profissionais de saúde, educação, área de garantia dos direitos e assistências, como por exemplo, médicos, assistentes sociais, enfermeiros, psicólogos, agentes comunitários, conselheiros tutelares, professores, orientadores pedagógicos e diretores de escola podem notificar.

Casos de violência sexual e a autoprovocada (suicídio) devem ser notificadas em, no máximo, 24 horas, de acordo com a portaria n° 1271/2014 do Ministério da Saúde. Mais informações podem ser obtidas na Área Técnica de Vigilância e Prevenção das Violências, localizada na Avenida Presidente Feliciano Sodré, 466, 1º andar, no Centro Administrativo Luiz Osório (Cealo).

Busca

Acesso Rápido

Destaque