Prefeitura quer estreitar relações comerciais com São Tomé e Príncipe, na África

2005-07-06 18:51:48 - Jornalista: Sérgio Lopes
Compartilhe:  

O coordenador da Coordenadoria de Comércio Exterior, órgão ligado a Secretaria Municipal de Indústria, Comércio, Desenvolvimento e Energia, Adolpho Moura, participou na ilha de São Tomé e Príncipe, na África, do I° Seminário de Oportunidades Empresariais Brasil – São Tomé e Príncipe.

A finalidade foi atender à política do governo municipal para que se possa criar uma sinergia entre as empresas nacionais e estrangeiras instaladas no município e a possibilidade de se criar uma parceria comercial entre Macaé e o país africano.

De acordo com Adolpho, existe uma grande possibilidade de haver uma parceria entre Macaé e São Tomé e Príncipe. ‘Estamos numa fase inicial de aproximação, já que agora é que o país está abrindo as portas para os negócios. Macaé está no topo dos interesses dessa república aqui no Brasil”, disse.

Durante o seminário, o coordenador contou que o vice-ministro de São Tomé e Príncipe, Eugênio Tini, fez uma apresentação da realidade da república e, a conclusão deixada é que são duas ilhas onde deverá ocorrer um pool de petróleo muito idêntico ao de Macaé. “Existe grande probabilidade de que empresas macaenses de prestação de serviços, na área de petróleo e de outros segmentos, possam desenvolver negócios naquele mercado”.

São Tomé e Príncipe é um país pequeno, porém, com grande perspectivas de negócios. A grande vantagem para os empresários brasileiros, segundo Moura, é a possibilidade de haver desenvolvimento em todos os setores industriais e comerciais e, não só na área de petróleo e gás. “É uma república aberta com uma área a ser desenvolvida, podendo ter uma grande influência tanto econômica quanto política”, acredita.

Após o seminário, Adolpho Moura expôs para o vice-primeiro Ministro, Eugênio Tini, as potencialidades de Macaé, quando foi feito um convite para que ele visite o município. O coordenador solicitou a criação de um protocolo de intenções de negócios de São Tomé e Príncipe com referência ao mercado específico na área de petróleo e gás, no qual destacou Macaé como uma área a ser explorada.

Esse protocolo, posteriormente, deverá ser levado ao presidente da República de São Tomé. Em seguida serão iniciadas as conversações, já que o coordenador estará recebendo a constituição do consulado do país africano, com a chegada do cônsul no Rio de Janeiro, no dia 28 de julho. “Iremos, então, estreitar essas relações comerciais, sociais e culturais com esse país, podendo ser tornar uma grande fatia de mercado para as empresas macaense”, ressaltou.

São Tomé e Príncipe é um dos últimos paraísos da terra, um estado que é formado por duas ilhas São Tomé e Príncipe, as quais ficam situadas a 800 quilômetros da costa oeste africana, no golfo da Guiné. A ilha principal tem 35 x 50 quilômetros de extensão e o seu nome é o mesmo da capital: São Tomé. Lá moram 35.000 habitantes A língua oficial é o português-crioulo, porém o entendimento nas línguas estrangeiras é realizado sem problemas.

Para o coordenador de Comércio Exterior essa possibilidade de atividades de negócios comerciais na costa oeste africana é bastante interessante. “Porque coincide com as necessidades de novas oportunidades de negócios das indústrias de Macaé para o exterior”, finalizou.

O estado de São Tomé e Príncipe tem só 122.000 habitantes, a república é regida por um parlamento democraticamente eleito com o Senhor Presidente e os Ministros. A infra-estrutura da ilha é variada. A produção do café e do cacao está sendo de novo desenvolvida. Por sinal, no fim do século passado, São Tomé e Príncipe foi o maior produtor de cacao do mundo.

Busca

Acesso Rápido

Destaque